Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Granjinha/Cando

e Vale de Anta... factos, estórias e história.

Granjinha/Cando

e Vale de Anta... factos, estórias e história.

“Maldição de S. CAETANO(?)”

14
Jul11

 

 Foto de Carminha Videira

É Verão.

Todos os frutos da Natureza sabem que nem um regalo!

E o cabrito, e o cordeiro e o frango assadinhos no forno, que bem apaladados se apresentam, depois do delicado trato dos nossos amigos cozinheiros e amicíssimas cozinheiras!

E não é que a «pinga» de qualquer Adega de um vizinho, ou Regional, da NOSSA TERRA «fica mesmo a matar» com aquele especial molho, onde as batatas assadas envernizam aquela cor coradinha que só os fornos e a lenha daquelas Terras sabem dar?!

Por ali, “come-se que nem um abade”, e “bebe-se que nem um camelo”!

É de admirar?!

Nem por isso!

O sorriso franco e os braços abertos com aquelas gentes nos recebem abrem-nos     -     e de que maneira!   -   o apetite.

E a franqueza é sempre tão grande que até nos fazem juntar a sobremesa com a ceia!

Os simples e os modestos, como nós, só têm uma maneira de mostrar o seu reconhecimento: levar o carro e o coração carregadinhos de amizade.

O pior é que nos acontece sempre «o pior»   -   o nosso regresso é feito com a alma cheiinha de mimos e a mala do carro ou a cabina e a caixa da carrinha atulhadas com saborosas lembranças!

Catancho!

“Incréu” como somos, até nos custa ter de acreditar que o S. CAETANO costuma fazer milagres!

 

É Verão.

E o fresco de uma sombrinha “que bem que sabe”!

E o S. CAETANO com ela abençoa os seus devotos em visita.

E até os passeantes que por lá andam, e «fazem escárnio» das milagrices que lhe atribuem!

Há uma boa meia dúzia de decénios que lhe fomos apresentado pela nossa AVÓ, num Dia de Festa!

Porque não tivemos «o garrotilho»; porque fomos curado das «sezões»; porque ficámos bom do braço partido (tri-partido!) com aquela enorme turra do carneiro irritado com «A Corneta de S. Caetano»; lá fomos, pela mão d’AVÓ, agradecer-lhe estes milagres!

A ele, S. CAETANO, tão sábio, tão rico e tão poderoso, iam, e vão, os pobres e os pobrezinhos levar «a esmola»!

E, como se não bastasse a longa caminhada, desde o termo de Samaiões, ainda tivemos de «esturricar» ao sol, carregadinho com as roupas, a coroa e a estátua, a cruz ou o ramo que nos davam o ar e a figura de «ANJINHO», numa procissão mais lenta do que «passo de boi»!

 

É Verão.

E hoje lá fomos ao “S. CAETANO”, recordar as promessas (da AVÓ) por nós cumpridas, e cobrar o prazer de sombrinha, ora apetecida.

Próximo do banco onde, de olhos fechados nos parecia melhor apreciarmos a sombra e o sossego do lugar, e com mais harmonia e emoção desfilariam aquelas recordações distantes, dois casais de «velhotes», mais ou menos da nossa idade, conversavam filosoficamente.

Trocavam histórias de milagres de amor, de saúde e de sorte.

-….“Nunca mais deixa de ser burro”! - ouvimos. E ficámos com a atenção desperta.

-“’Ind’à semana passada fomos bisitar o Delfim, que está entrabado numa cadeira de rodas,Estábamos eu, ele, a mulher, a filha e o genro, cá fora de casa, ao fresco.

O rapaz…

-O rapaz!  - exclamou, e interrompeu, uma voz feminina (que presumimos ser da Rapariga que o orador tomou por Mulher, provavelmente no altar do S. CAETANO).

-Ele debe ser da nossa idade, ou até mais «belho» um pouco!   -   acrescentou a «madama».

-Bem, «Rapaz» foi uma “forma de dezer”.

O Rapaz vinha despedir-se.

Como lhe tinham prometido umas saladas, deixou a mala do carro «a direito» do portão, que já estava aberto.

Estava a filha do Delfim a dizer que esperasse um bocadinho, enquanto ia buscar as alfaces   -   que até eram de duas “calidades”   -  quando rompe por meio de nós, que estábamossentados à roda do Delfim, o filho do Jeremias e da Teresa, genro e filha do Delfim e d’Augusta.

«Nem água “bem”, nem água “bai”».

Quer-se dezer: nem bom-dia, nem boa-tarde.

Fez questã” de meter o carro dentro do pátio. E como tebede fazer duas ou três manobras para entrar, ficou muito incomodado.

Bai daí”, o cumprimento dele, birando-se para o que «nunca mais deixa de ser burro», foi resmungar que «aquela biatura  estaba  mal estacionada».

Ele queria meter o carro «cá dentro» e «quase que nem podia»!

Todos ficámos com cara de parbos!

O Jeremias, pai do garoto, ficou mais «marelo» do que a cera.

A Teresa “afucinhou”  a cabeça no chão, e disse que ia buscar umas «curgétes».

A mulher do Delfim, a Ti’Augusta, ficou mais corada do que um pimento bermelho do Cambedo.

A mim, deu-se-me cá uma bolta no’stômago!

O que «nunca mais deixa de ser burro» ia para se alebantar para ir arrumar o “carroço”.

- “Agora já não é preciso. Já consegui entrar” – sentenciou, no mesmo tom zangado e refilão, o neto do Delfim e filho do Jeremias.

E sumiu-se dentro de casa.

A avó desabafou:

-Não façam caso. As autoridades são sempre assim!

Afinal, somos todos bu---rros!

Qualquer labrego que «entre prá Guarda ou prá Polícia» fica logo com a mania de que “tem o rei na barriga”.

E até acha que a consideração que as pessoas têm pela sua família não é mais do que a sua obrigação   -   porque ele «é gê-éne-érre», «impõe respeito» e «têm que lhe mostrar medo»!

- Tamém! Não precisas de exagerar!  -  atalhou a mulher.

- Pois não!

Mas se fosse cá eu, com os conhecimentos, amizades e família que ele, o que «nunca mais deixa de ser burro», tem lá em Lisboa, ‘inda por cima na Guarda, ai não, que não punha este fedelho a «piar fino»!

Quantos da NOSSA TERRA, que estão por esse mundo fora, bisitam tanta gente na Aldeia; telefonam para tantos, no Natal e na Páscoa; se alembram dos anos deste e daquele; e, lá onde estão, recebem, e dão apoio, aos amigos e bizinhos como esse «burro»?!  - sentenciou o companheiro que se tinha mantido atento e caldo durante a conversa.

Não quisemos ouvir mais.

Abandonámos a nossa sombra.

Virámo-nos para a Igreja do S. CAETANO e exclamámos cá para dentro:

- Como pode haver gente tão soberba, tão «ordinária», e a mostrar tanta falta de respeito, cá pelas bandas de S. CAETANO?!

Ou será que será gente das vizinhanças de S. DOMINGOS?!

Não é na Natureza, no sol ou na chuva, no frio ou no calor, nas subidas ou nas descidas, nas noites ou nos dias; com os lagartos e as cobras, com os ursos ou os leões, com a petinga ou as baleias que se nos azeda a vida.

Ela azeda-se-nos na relação com o “OUTRO”  -   o ser humano!

Sentimos a hora amaldiçoada. Regressámos a casa.

Afinal, a arrogância salazarenta ainda medra por !...

 

Romeiro de Alcácer

 

  

Foto de Carminha Videira

2 comentários

Comentar post